Psiquiatria & Psicologia - Granja Viana & Pinheiros

TOC

O transtorno obsessivo-compulsivo, mais conhecido como TOC, é um transtorno de ansiedade em que o indivíduo tem pensamentos obsessivos e compulsivos, ou seja, ideias exageradas e irracionais, levando-o a ter comportamentos considerados estranhos para a sociedade ou para a própria pessoa.

 

Compulsão é todo comportamento consciente e repetitivo, como contar os dedos ou objetos a todo o momento, lavar as mãos ou tomar banho várias vezes por dia e ainda se sentir sujo, conferir se esqueceu de algo como uma torneira aberta ou a porta de casa sem trancar, mais de uma vez. Deixando bem claro que para esses comportamentos serem considerados compulsivos, eles devem ocorrer numa frequência bem acima do considerado normal.

 

 

As causas do TOC não estão bem esclarecidas. Certamente, trata-se de um problema multifatorial. Estudos sugerem a existência de alterações na comunicação entre determinadas zonas cerebrais que utilizam a serotonina. Fatores psicológico e histórico familiar também estão entre as possíveis causas desse distúrbio de ansiedade.

 

Por volta dos 20 anos o transtorno tem mais frequência em aparecer tanto homens como em mulheres. Outros transtornos podem surgir simultaneamente aos pacientes com Transtorno Obsessivo-Compulsivo ao longo da vida.

 

Frequentemente as pessoas acometidas por este transtorno escondem de amigos e familiares essas ideias e comportamentos, tanto por vergonha quanto por terem noção do absurdo das exigências auto impostas. Muitas vezes desconhecem que esses problemas fazem parte de um quadro psiquiátrico tratável e cada vez mais responsivo a medicamentos específicos e à psicoterapia.

 

A pessoa percebe que a obsessão é irracional e a reconhece como um produto de sua mente, experimentando tanto a obsessão quanto a compulsão como algo fora de seu controle e desejo, o que causa muito sofrimento. Pode ser um problema incapacitante porque as obsessões podem consumir tempo (muitas horas do dia) e interferirem significativamente na rotina normal do indivíduo, no seu trabalho, em atividades sociais ou relacionamentos com amigos e familiares. Algumas vezes os sintomas obsessivos, dependendo da severidade, podem se confundir com sintomas psicóticos e delirantes, ou estiver associados a eles, o que torna o tratamento ainda mais difícil.

 

 

FONTE: ASTOC ( http://www.astoc.org.br  )